Em 31 de março de 2022, a dívida bruta atingiu o montante de R$ 7.806,8 milhões, aumento de R$ 447,2 milhões (+6,1%) em relação ao saldo verificado em 31 de dezembro de 2021, principalmente pela (i) liberação do montante de R$ 227,0 milhões em março de 2022, após novo contrato de empréstimo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (“BNDES”) e (ii) inclusão de arrendamentos mercantis no endividamento da Companhia, seguindo a adoção, pela ANEEL, do CPC 06 (R2) em seu manual de contabilidade do setor elétrico, vigente a partir de janeiro de 2022. Além disso, o aumento da dívida deve-se, também, à correção dos seus saldos pelos indicadores macroeconômicos aos quais maior parte dos passivos da Companhia são indexados, principalmente IPCA e DI.

O aumento de 12,3% nas disponibilidades da ISA CTEEP e subsidiárias 100% no 1T22 reflete o desembolso do novo contrato assinado com o BNDES e a geração de caixa das subsidiárias operacionais.

Considerando a exclusão das disponibilidades das subsidiárias não consolidadas, a dívida líquida da Companhia atingiu R$ 7.017,5 milhões em março de 2022 vs R$ 6.656,9 milhões em dezembro de 2021 e a relação Dívida Líquida/EBITDA Ajustado foi de 3,06x no fechamento de 1T22.

Os covenants e as exigências estabelecidas em todas as emissões estão sendo devidamente cumpridos pela Companhia. Para 2022, o indicador Dívida Líquida/EBITDA mais restritivo é de 3,5x, para a 5ª emissão de debêntures. Seguindo os critérios de apuração do indicador para essa emissão, o indicador está em 2,75x no 1T22. Detalhes sobre os indicadores financeiros seus critérios de apuração estão disponíveis no anexo VII deste documento.

O custo médio da dívida consolidada foi de 15,0% a.a. em 31 de março de 2022 vs. 13,04% a.a. em 31 de dezembro de 2021. O aumento deve-se, principalmente, à variação observada nos indicadores macroeconômicos indexadores da dívida. No período o IPCA acumulado em 12 meses apresentou um aumento de 520 bps e o CDI anualizado apresentou alta de 900 bps, considerando o IPCA acumulado dos últimos meses, o custo médio real³ da dívida é 3,77%. Já o prazo médio da dívida consolidada da Companhia em 31 de março de 2022 era de 6,6 anos.

3 Razão entre (i) Custo médio nominal; e (ii) IPCA últimos 12 meses.

Clique aqui para baixar a planilha

Cronograma de Amortização da Dívida Bruta
(R$ milhões)

Cronograma de Amortização da Dívida Bruta
(R$ milhões)

Contratação da Dívida
e Indexação 31/03/2022



   
Emissão Volume total da oferta Valor nominal unitário Série Liquidação Vencimento Remuneração Documentos da Oferta


5ª Emissão

 
R$ 300,0 milhões R$ 1 mil Série Única 15/02/2017 15/02/2024 IPCA + 5,04% a.a.
7ª Emissão R$ 621,0 milhões R$ 1 mil Série única 02/05/2018 15/04/2025 IPCA + 4,70 a.a
8ª Emissão R$ 409,0 milhões R$ 1 mil Série única 20/12/2019 15/12/2029 IPCA + 3,50 a.a.
9ª Emissão R$ 1.600,0 milhões R$ 1 mil Duas séries 07/12/2020 1ª série: 15/11/2028
2ª série: 15/05/2044
1ª Série: CDI + 2,83% a.a.
2ª Série: IPCA + 5,30% a.a.
10ª Emissão R$ 672,5 milhões R$ 1 mil Série única 10/02/2021 15/07/2044 IPCA + 5,07% a.a.

11ª Emissão
 
R$ 950 milhões R$ 1 mil Duas séries 28/10/2021 1ª série: 15/10/2031
2ª série:  15/10/2039
1ª série: IPCA + 5,77% a.a.
2ª série: IPCA + 5,86% a.a.
12ª Emissão R$ 700 milhões R$ 1 mil Série Única 18/04/2022 15/04/2029 CDI + 1,55%
 
 

Debêntures
Emissão Volume total da oferta Valor nominal unitário Série Liquidação Vencimento Remuneração Documentos da Oferta
2ª Emissão R$ 350 milhões R$ 10 mil Única 18/03/2013 18/03/2025 IPCA + 5,5% a.a.
Debêntures
Emissão Volume total da oferta Valor nominal unitário Série Liquidação Vencimento Remuneração Documentos da Oferta
1ª Emissão R$ 1,6 bilhão 1.000 Única 15/12/2019 15/12/2043 (24 anos) IPCA + 4,9982% ao ano.
 

Atualizado em 24 de maio de 2022.