Em 30 de setembro de 2020, a dívida bruta atingiu o montante de R$ 3.259,0 milhões, aumento de R$ 15,1 milhões em relação ao saldo verificado em 31 de dezembro de 2019, principalmente em função da captação (CCB) realizada no 2T20. No 3T20 houve a liquidação das dívidas nos termos da Lei 4.131 que contavam com operações de SWAP (hedge).

Em função do CPC 06 (R2), a partir de janeiro de 2019, a Companhia passou a reconhecer os passivos para pagamentos futuros para todos os contratos de arrendamento, com exceção dos contratos de curto prazo e/ou baixo valor. No 3T20, foram adicionados R$ 57,2 milhões à dívida bruta do IFRS referentes aos arrendamentos que a Companhia possui. Desta forma, a dívida bruta do IFRS totalizou R$ 3.316,2 milhões. A contabilidade regulatória não foi alterada.

O aumento nas disponibilidades da ISA CTEEP e subsidiárias 100% no 3T20 reflete as captações para reforço da posição de caixa. Considerando a exclusão das disponibilidades das subsidiárias não consolidadas , a dívida líquida da Companhia atingiu R$ 2.246,1 milhões ao final de setembro de 2020 vs. R$ 2.546,6 milhões em dezembro de 2019 e a relação Dívida Líquida/EBITDA Ajustado foi de 0,9x no fechamento do 3T20. 

Os covenants e as exigências estabelecidas em todas as emissões estão sendo devidamente cumpridos pela Companhia. Para 2020, o indicador Dívida Líquida/EBITDA mais restritivo é de 3,0x. 

O custo médio da dívida consolidada foi de 6,03% a.a. em 30 de setembro de 2020 vs. 7,46% a.a. em 31 de dezembro de 2019, em função da queda do IPCA entre os períodos. O IPCA é o principal indexador de endividamento da Companhia e o principal indexador da receita. O prazo médio da dívida consolidada em 30 de setembro de 2020 era de 3,7 anos.

Cronograma de Amortização da Dívida Bruta
(R$ milhões)

Cronograma de Amortização da Dívida Bruta
(R$ milhões)

Contratação da Dívida
e Indexação 30/09/2020

De julho a dezembro de 2020 estão previstos vencimentos de dívida no montante de R$ 1,2 bilhão, compostos, principalmente, por dívidas nos termos da Lei no 4.131/62 e pela 6ª emissão de debêntures.


   
Emissão Volume total da oferta Valor nominal unitário Série Liquidação Vencimento Remuneração Documentos da Oferta
4ª Emissão R$ 148,3 milhões  R$ 1 mil Série Única 15/07/2016 15/07/2021 IPCA + 6,04% a.a.


5ª Emissão

 
R$ 300,0 milhões R$ 1 mil Série Única 15/02/2017 15/02/2024 IPCA + 5,04% a.a.
6ª Emissão R$ 350,0 milhões R$ 1 mil Série Única 13/12/2017 13/12/2020 105,65% do CDI a.a.
7ª Emissão R$ 621,0 milhões R$ 1 mil Série única 02/05/2018 15/04/2025 IPCA + 4,70 a.a
8ª Emissão R$ 409,0 milhões R$ 1 mil Série única 20/12/2019 15/12/2029 IPCA + 3,50 a.a.

Debêntures
Emissão Volume total da oferta Valor nominal unitário Série Liquidação Vencimento Remuneração Documentos da Oferta
2ª Emissão R$ 350 milhões R$ 10 mil Única 18/03/2013 18/03/2025 IPCA + 5,5% a.a.
Debêntures
Emissão Volume total da oferta Valor nominal unitário Série Liquidação Vencimento Remuneração Documentos da Oferta
1ª Emissão R$ 1,6 bilhão 1.000 Única 15/12/2019 15/12/2043 (24 anos) IPCA + 4,9982% ao ano.
 

Atualizado em 29 de outubro de 2020.